DO JIU-JITSU – Mestre Adair.

 DO JIU-JITSU – POR  MESTRE ADAIR .

Escritos por Adair Alves de Almeida

ESPORTE,SONHO,REALIDADE,BENEFÍCIOS.

A importância do esporte é reconhecida universalmente e sua prática raramente deixa de beneficiar o seu praticante com uma boa saúde física. Todos os esportes são bons e o seu uso benéfico depende de como praticá-lo e a sua finalidade. E não há idade para iniciar e se manter nele. Para os mais jovens o esporte competitivo é o ideal, para crianças e os mais idosos o esporte como laser é mais salutar. Não obstante, no jiu-jítsu e noutras modalidades há competidores homens e mulheres com até mais de 60 anos em pleno vigor da prática, disputando e conquistando  medalhas, sem  causar danos a si nem a outros , ao contrario!

A satisfação na conquista de uma medalha, conseguida através do treinamento árduo e continuado; O temor de perder a competição; o dissabor ao ver seu oponente portando a medalha que poderia estar no seu peito logo passa. A esperança de ser o ganhador na próxima é maior que a frustração daquele instante. Numa competição não há perdedores, somente ganhadores. O simples fato de ter participado coloca o competidor num plano superior, diferente, especial.

Vitória e derrota devem ser tratadas com o mesmo respeito. A vitória não deve proporcionar demasiada vaidade e orgulho, assim como a derrota não deve causar inconformismo nem desânimo. O mais difícil numa competição não é a derrota em si, mas saber enfrentá-la com serenidade. O melhor entre os melhores sempre encontrara um ainda melhor. É a lei natural das coisas.
Quem perde uma luta também deve ser parabenizado. Entretanto aquele que se desculpa dizendo que perdeu porque estava muito ruim deve ser corrigido, pois deveria ter dito “entrei para ganhar, mas perdi, o meu oponente foi melhor”. Este soube perder com dignidade. Com certeza continuará competindo em busca da sua vitória.

“Seja como for o esporte não poderia deixar de atrair, pois fomenta sonhos, proporciona alegria incomparável e edifica a esperança”

A importância que alguns dizem dar ao esporte,não se iguala à importância dada a ele pelos que o praticam, e aos que permitiram ao esporte  fazer parte de suas vidas .

                                                                                      Adair 


  O COMPETIDOR “PRATA DA CASA” 

Uma boa quantidade dos nossos competidores de jiu-jitsu não medem esforços para saírem de Minas e viajar, competir noutras paradas. Vão em busca que quaisquer competições,sejam elas paralelas,clandestinas , seja  campeonato brasileiros, sul americano, mundial e outros, promovidos por entidade oficializadas ou não .O que interessa é participar por ai !

Ao retornarem alguns se afastam do campeonato mineiro, seja por falta de recursos, consumidos pelas despesas com a jornada e participação, seja por orgulho e vaidade , talvez porque  mesmo  o santa da casa  fazendo milagres  não acreditem nele !

Felizmente muitos competidores  continuam assíduos ,participativos. Lutam  em qualquer lugar  mas não deixam o estadual mineiro ,são os  pratas da casa. Procuram mostrar o valor acrescido com a experiencia adquirida naquelas competições. Portadores de medalhas conquistadas até no exterior,com direito se sentem orgulhosos, mas não se tornaram esnobes .Muito menos vaidosos ao extremo de se tornarem ausentes, intimidados com a possibilidade de perder luta em casa e salpicar suas conquistas, suas imagens.

Estes  se esquecem que o caráter, a personalidade, vão  se fortalecendo pelas conquistas obtidas  como pelas derrotas sofridas ao longo da vida.

Em dojos estranhos eles não retiram do kimono o escudo da sua equipe nem o da federação, fazem questão de ostentar a sua origem, a sua cidade, o seu estado, o seu pais. São patriotas,são os pratas da casa!

Estes atletas fazem parte da seleta ordem dos competidores “Prata da Casa”, aqueles nos quais a federação pode contar, em qualquer eventualidade.

ADAIR


O   PROFESSOR DE ARTE MARCIAL , UM  PROFISSIONAL  QUE BUSCA RECONHECIMENTO  !

 Ha tempos criamos  um Projeto de Lei para que a função do   professor de jiu-jitsu e das demais modalidades de arte marcial,  seja  reconhecido   um  profissional . Ha  anos batemos nesta tecla,instigando , sugerindo  as   Federações de cada modalidade uma  união  em torno deste  assunto. Acreditamos que somente com o apoio e empenho de todas as federações, reconhecidas e oficializadas, seria mais fácil  a concretização deste ideal benéfico a todas.

A Federação Mineira de Jiu-Jítsu esta em atividade ininterrupta a 45 anos , as centenas de faixas pretas  de jiu-jítsu ,por ela diplomados,e que  exercem a profissão como instrutores  ou professores ,já deveriam  ter em suas carteiras de trabalho inserido  como tal , um proficional  liberal ou não, com a com garantia oficial.

Citamos a F.M.J-J. apenas como exemplo, pois o mesmo ocorre  nas demais federações das diversas modalidades de  lutas e arte marcial . A  graduação  é outro coisa , um assunto interno e restrito e em nada interfere nesta busca do reconhecimento do professor como uma profissão .

Por se tratar de um assunto de ordem nacional não depende somente das federações estaduais, e este empenho deveria ser uma  das prioridades das Confederações reconhecidas .

Não obstante, vamos em  busca do deputado federal que queira abraçar esta causa, melhorando ,adequando o  projeto de lei  para ser  apresentado ao Congresso Nacional . As estaduais não podem se aquietar  e a pressão  em todas as direções  é uma necessidade.

Já que Brasil quase tudo se resolve  através de políticos vamos a eles ! .

Caso contrario, permaneceremos como estamos,buscando e aguardando sem nada conseguirmos de concreto .Enquanto isto  militantes de outras áreas ,esportivas e não esportivas vão sendo reconhecidos  como profissionais .

Adair   2015


 


DISCIPLINA NO JIU-JITSU: Disciplina , Ordem , Respeito, Obediência as leis .

O jiu-jitsu é  arte  marcial por excelência, é  também uma  ciência  e  deve se comprometer não  somente    com  os  efeitos  das  suas técnicas  aplicadas sobre o indivíduo , mas também  das  causas  . Ela não pode se  furtar a filosofia , muito menos fugir nem se afastar  da responsabilidade de um código de ética e disciplina.  Ate que tenhamos um único Código Brasileiro de Ética e Disciplina  do Jiu-Jitsu , por   mais simples que o nosso e o vosso  se afigurem , mesmo assim será de suma  importância, indispensável  para nortear  uma federação, as   equipes e academias a ela registradas  e sem exceções a seus competidores.

Não pode é haver ausência deste código nas federações . O que deveria  já ter brotado,crescido e  fortalecido  no seio da  Confederação representativa do jiu-jitsu  nacional. 

Se isto já ocorreu  a F.M.J-J,  a 2ª  estadual  oficialmente reconhecida,nos seus 46 anos de  existência  e trabalho ininterrupto ainda não tomou conhecimento,pois a ela  nada  de tal importância  foi  endereçada .Por isso,cumpre a F.M.J-J   continuar alicerçando  seu próprio caminho, em beneficio de quantos estão sob a sua égide.

Adair .



O JIU-JITSU DE TODOS NÓS, AINDA TEM REGRAS  ?                  1ª parte.

O jiu-jitsu oficializado de todos nós, sob o comando da Federação Mineira de Jiu-Jitsu (F.M.J-J) teria de ter regras  definidas ou não poderia ser entidade  regional de administração de desporto e representativa do jiu-jitsu no Estado de Minas Gerais . Nenhuma entidade similar deu maior contribuição a artes suave e cumpriu a risca o exigido: Criou o primeiro curso de Ética e Disciplina,a sua Metodologia de Ensino imitada mas ainda não  superada,O Conselho Superior ( Conars) ,o Conselho Fiscal e o Tribunal de Justiça Desportivo sempre atuantes.Promoveu  primeiro campeonato interestadual de jiu-jitsu (o Rio Minas) ,sua presidência e membros assumiram o compromisso e fundaram a primeira entidade nacional do jiu-jitsu Liga Brasileira de Jiui-Jitsu. Posteriormente  foi que surgiu a Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu. E atualmente este amontoada de federações e confederações paralelas e clandestinas trazendo as entidades constituídas  prejuízos de toda ordem. Ao meu ver  apenas mais um item na desordem reinante, mas poderá ser  atenuada com o passar do tempo, desde que o Governo Federal ressuscite o Conselho  Regional de Desportos . 

As técnicas do jiu-jitsu são praticamente imbatíveis se aplicadas com precisão. Se estas técnicas fossem  aplicadas a Deus dará , quantos lesões de toda ordem poderia ter  ocasionado ?

Os experts nas técnicas do jiu-itsu conhecem seu poder quase indefensável. Os leigos e os iniciantes desconhecem as regras preliminares para aplicar a mais simples técnica E cabe ao seu instrutor, até mesmo intimidá-lo contra qualquer imprudência ou exagero nas suas  aplicações. pois os dois são responsáveis por qualquer dano ocasionado ,o que aplica e o que instrui.

 Ao ministrar  aula, sejam esportiva, defesa pessoal ou atemis  dou  ênfase as defesas e  saídas das técnicas mal aplicadas.Isto porque uma técnica bem aplicada e segura funciona a  contento. Ao contrario  da mal aplicada, quer por imperícia  do aplicador, seja por antecipação do defensor que se livra fácil . Como exemplo temos técnicas de reconhecida eficácia e que  não poderiam ser permitidas a leigos ou iniciantes no jiu-jitsu, notadamente por crianças, mas após um  tempo de conscientização do que esta praticando e seus efeitos.

A defesa pessoal não é esporte  mas recursos de preservação. E nela certas técnicas,se necessárias  aplicá-las  e for possível nas suas  plenitude devem ser na consciência de que  podem causar danos irreversíveis, e até mesmo  óbito. Não obstante, as artes marciais,quando bem ensinadas,e bem assimiladas trazem  grandes benefícios ao corpo físico ,ao mental e a saúde em geral (comprovado por  adeptos  de anos de pratica ininterrupta)

O jiu-jitsu  exige do seu aluno grande paciência e obstinação  na  subida da escada do conhecimento, adquirido degrau por degrau. A repetição das técnicas ensinadas preparam o aluno para as lutas, que são  como colchas de retalhos. E devido a concentração para bem  aplicar uma técnica, ao  esforço físico comedido, a respiração adequada, a observação dos detalhes, a  agilidade definida, tudo isto proporciona o interesse crescente do seu praticante. Mas o tempo em convício com a  arte vai revelar se o aluno tem espírito marcial,ou apenas interesse passageiro. O interesse passageiro não permite a continuidade, e sim  o abandono da árdua trilha a seguir. Porem o de  espírito marcial prossegue !

Felizmente os consistentes são em numero maior que  os desistentes.

Adair.  


                                                                       

  O JIU-JITSU DE TODOS, NÓS ANDA TEM REGRAS  ?                                                  2ª parte

 Tem regras, bem definidas e cuidadosas, seja com a simples aprendizagem ou com a preparação para competição  em qualquer categoria de idade, faixa e peso. As regras existem,mas  já não  tem a importância de ontem,esta havendo um indesejável  relaxamento. Quem responde por isso, as Federações, as  Confederações ,as  Ligas ?  Toda  elas tem parcela de culpa ou nenhuma tem…

 Esta quantidade de praticantes paralelos e clandestinos não se interessam pelas ordens emanadas da federação, nem mesmo da Confederação ou Liga, ou estariam devidamente registrados, competindo ,disputando e engrandecendo os campeonatos, ter ficha curricular atestando seus feitos e suas medalhas conquistadas,obtendo suas graduações oficializadas.

 Não o fazem para não se submeterem ao comportamento determinado no tatame e fora dele? Não se registram para não serem atingidos pelos Tribunais  de Justiça Desportivo da Federação ? Para não se responsabilizarem por danos ou comportamentos inadequados? Preferem a clandestinidades, pagando tributos  a entidades paralelas,  que auferem lucros sem  prestar contas a   ninguém  ?  Assim, torneios e campeonatos vão se realizando a torto e a direito, sem nenhuma autorização ou garantia.

 Porem, é ledo engano. As equipes e competidores clandestinos também  podem sofrer punições das suas faltas pelos Tribunais  Desportivos das  federações estaduais, pois estão agindo em  território  de atuação delas, ou por elas  encaminhados a justiça comum. Faixas podem ser retiradas pelos TJDs em definitivo ou pelo tempo necessário. Se isto não ocorre a miúde talvez seja por comodidade  ou economia de despesas.

 Atualmente  vejo com espanto e tristeza crianças com menos de 09  aplicando técnicas que somente eram permitidas aos 12 anos e com cuidado e reserva. Há titulares de equipes que ensinam e exigem a aplicação nos torneios. Dizem que há país  inconformados com a derrota , exige aplicações delas na esperança de superar o outro ,ou retiram  filhos da  equipe .E o mal que pode acometer a criança ?. As lesões, felizmente  são raras porque os  árbitros se mantém atentos, as vezes   coibindo, as vezes amparando,as  vezes desclassificando. Porem , em qualquer circunstancia  o esporte  para a criança  como laser tem de prevalecer.

 Portanto e não obstante a tudo isto isso o jiu-jitsu vai bem!

 Que sabe o novo governo desvia um pouco seu olhar para o lado  esporte  amador especializado, e queira saber o que esta acontecendo no seio das Confederações, Federações, Ligas e academias que lidam com o esporte amador, e o esporte  profissional nele camuflado ,em especial  nas artes marciais ?

 Não acredito em milagres pois nunca presenciei um.Mas como sou esperançoso contumaz resta-me aguardar !

                                                                                                              Adair                                            3/ 2019

 


AUTONOMIA ESTADUAL DAS FEDERAÇÕES..

Em cada Estado da União somente pode haver uma Federação, com poderes constituídos, para cada  modalidade esportiva,pelo menos é o que determina a Lei Esportiva.   

 São poderes de uma Federação esportiva: Assembléia Geral  ; Conselho  Fiscal ( constituído  por seis membros eleitos em  Assembléia  ; Tribunal de Justiça  Desportivo, constituído por  sete ( 7) advogados ,sendo quatro (4) eleitos em  Assembléia e quatro (3) indicados pela OAB; Presidente e Vice Presidente (eleitos em Assembléia Geral ) . As diretorias  são ocupadas por pessoas de confiança da Presidência  da entidade.

Todos os poderes, sem exceção, estão submissos a Assembléia Geral. Assim sendo, e como a  Federação Mineira de jiu-jitsu é  Entidade   Regional  de Administração de  Desporto, como tal   representa o jiu jitsu do Estado de Minas Gerais. Nela  somente podem  se registrar  como pessoa jurídica  a  Associação Esportiva  de jiu-jitsu (academia/equipe), e como pessoa  física o  professor  da  Associação filiada  e seus alunos,  residentes e domiciliados  no Estado de Minas Gerais .

A Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu  tem autonomia nacional ,mas não regional,ou seja, para realizar  seus eventos nos estados onde existem federações legalmente constituídas é dever e obrigação dela realizá-los em parcerias ou pelos menos comunicar esta intenção a elas.   O  mesmo ocorre  em relação  a Liga Brasileira de Jiu-Jitsu, que   desde a sua fundação  tem domicilio em Belo Horizonte.Embora com jurisdição nacional  não tem autonomia regional (estadual).

A autonomia no Estado  de Minas Gerais não pertence a  LBJJ nem a CBJJ , mas  a F.M.J-J. O comando oficial do jiu-jitsu em território mineiro  pertence  a Federação Mineira de Jiu-Jitsu (F.M.J-J.) . Igualmente nos demais estados brasileiros onde exista Federação de Jiu-Jitsu  legalmente  constituída.

 Então porque estas entidades de nível nacional continuam desrespeitando a autonomia estadual ?

Espera-se  que  a nova Presidência da República  determine que a Secretaria Nacional de Esportes  olhe com mais atenção e  cuidado  para o que ocorre em torno do esporte amador especializado, e não  somente atenção para o futebol, como sempre !

A Governo do  Estado de Minas Gerais e suas secretarias especializadas ,as quais as  federações  esportivas sediadas em território mineiro estão vinculadas,  neste caso ,tem sido exemplares .Que assim possa continuar !

Adair..    2019,


    AO ASPIRANTE AO CINTURÃO NEGRO DO JIU-JITSU.

                 Continuadamente recordo  ao  que  se propõe ao exame para obter o cinturão negro do jiu-jitsu  para, primeiramente,  ter em mente que  a faixa preta  é   um privilégio, um  prêmio a soma dos esforços e tenacidade ao longo de vários anos se submetendo a intenso  treinamento

 Procurou ele  conhecer  o  jiu-jitsu  de forma   integral ,ou seja ,  o esportivo  , o traumático .e a defesa pessoal. Aliem-se este extraordinário conhecimento a autodisciplina e ter-se-á um  jiujitsuká  notável , um competidor respeitável,  um instrutor  exemplar . Este comportamento por certo acompanhará o jiu-jitsuká no dojo e fora dele, no seu dia a dia, diferenciando-o um pouco das demais pessoas. 

Embora o portador da faixa preta seja uma pessoa como outra qualquer, passa a ser visto como  diferente, possuidor de dotes  incomuns. Dai a necessidade dele policiar o seu próprio comportamento. 

A paciência, o controle emocional são dons que qualquer pessoa deveria cultivar, principalmente os jiujitsukás. Entretanto, mesmo alguns  elevados não podem demonstrar porque não o possuem  Evidentemente isto advém mais do próprio gênio que de uma má formação ou de um treinamento inadequado.

      Entretanto o vicio que submete e degrada , a arrogância que pode levar a se considerar  melhor quer seu semelhante ,a  mentira e a desonestidade ,são atos  que não poderiam  estar aliados ao portador da faixa preta. Infelizmente  alguns  portadores do cinturão negro não se livraram de alguns deles . È ai  que está situado o equívoco , o perigo para  quem  pretende se espelhar num faixa preta   sem caráter firme .

Porem , se nem todos os portadores do cinturão negro,ou alem dele,  conseguem ser exemplares, pelo menos que sejam   humildes ao ponto de reconhecer os  erros e se  desculpar frente a qualquer um em qualquer situação.

Normalmente o faixa  preta quer ir alem, ser um instrutor, um  professor, e quiçá um mestre. Não obstante, nem todos os bons lutadores serão bons  professores ou mestres  e vice versa ,        

 O mérito esta na coragem buscar e poder ostentar o seu  importante  diploma .Assim , formulo sinceros  votos de sucesso continuado ao aspirante  que ora recebe a sua graduação, e que a seriedade  das suas  intenções possa  acompanhá-lo ao longo da sua vida.

Adair 

       



     TORNEIO  QUE PAGA PREMIAÇÃO  EM DINHEIRO, DEIXA DE SER AMADOR .

A premiação concedida aos atletas competidores do esporte amador seguem o principio olímpico , troféus e medalhas de ouro,prata e bronze. Quando a vitoria envolve premiação em dinheiro, desvirtua-se este principio. A competição deixa de ser amadora,torna-se profissional .

Os torneios e campeonatos de jiu-jítsu anunciados ,que pagam premiação em dinheiro aos competidores, buscam atrair competidores para os seus fins lucrativo .Não é uma entidade esportiva mas empresa comercial . Portanto sujeitos a todos as normas impostas pelo Código Comercial .Não se trata mais de esporte amador,amparado pelas leis que regem o assunto ,mas de empreendimento comercial, profissional .As secretarias de esportes municipais e estaduais  devem  ficar atentas a isto ,antes de oferecer verbas e patrocínios a eventos desta natureza.

As confederações,ligas e federações ,reconhecidas como entidades de administração de desporto regional ou federal, existem para organizar o esporte . Especialmente elas devem se atentar para este fato,ou não estarão cumprindo seus deveres .

Em nosso caso o dever é para com o jiu-jítsu , esporte amador especializado.

Em Minas Gerais,em tempos idos , torneios e campeonatos paralelos ou clandestinos de jiu-jitsu praticamente inexistiam , e não  eram  prejudiciais ao calendário da Federação. Se isto ocorresse  havia  contestação e transferidos para outra data . Atualmente as  Federações esportivas perderam seus poderes  para contestar  e sofrem prejuízos de toda ordem . Enquanto a lei esportiva não mudar  certos  artigos continuam as federações  com dificuldades  para reorganizar o que anda bastante confuso e prejudicial ao esporte amador.

Os torneios paralelos e os clandestinos, com fins lucrativos ou não, pouco ou nada nada contribuem para a organização do esporte amador, ao contrario !

Adair


                     2001 SOMENTE AGRADECEMOS

Termina-se o ano 2001, o primeiro do 3o. milênio,e  no seu decorrer  o planeta terra  quedou-se atônito, decepcionado, e boa  parte da humanidade se entristeceu um pouco mais pelas ocorrências trágicas e a amargura causada pela  incerteza que   tende a perdurar um pouco mais .   Não obstante os empecilhos , decepções e as  dificuldades de 2001  o timoneiro do barco  da  federação mineira ,  navegando por águas um tanto turbulentas o manteve a tona  , conduzindo-o pelo seu curso  até  ancorá-lo no seu destino.

 Foram poucos os  recursos , e todos emanados dos seus filiados. Mesmo sem patrocínio  e com  o mínimo de apoio a FMJ-J cumpriu o seu calendário composto de 5 eventos oficiais, realizou torneios extra oficiais, promoveu cursos, seminários, conferencias,  autorgou   faixas pretas sob exame , conferiu diplomas ,  admoestou, advertiu, penalizou , comunicou-se com as co irmãs, editou o seu jornal informativo, manteve a sua página na internete, esteve em vários  programas esportivos de tv, os principais jornais mineiros divulgaram os resultados ds seus eventos , enfim  cumpriu o seu papel de entidade oficial do jiu-jitsu no Estado de Minas Gerais .

 Lá,ao longe,os primeiros raios do NOVO ANO de 2002 estão se emergindo com o novo alvorecer e com ele as nossas esperanças nos dias melhores que virão

Em nosso nome e em nome da Federação. temos que  agradecer a  muitos .

 A lista de agradecimentos seria muito grande ,entretanto alguns devem, ser citados.:Primariamente todas as equipes federadas, os seus professores e seus competidores ,razão das  felizes realizações  desta a federação  Também a  mídia,especialmente aos jornalistas especializados do  Diário da Tarde , de  O Tempo  , de  O estado de Minas, do Hoje em Dia , das TVs Comunitária ,  Globo, Minas, Bandeirantes , Gazeta, Canal 23, e tantos outros ,sem os quais o grande publico não tomaria conhecimento das nossos eventos .Também a  própria  Ademg  que não fez restrições  a nossa presença nas suas quadras.,exceto ao Mineirinho interditado

 Já estamos chegando no ano 2002 e lá ao longe os primeiros raios do NOVO ANO  estão se emergindo  com o novo alvorecer e com eles as nossas esperanças nos  dias melhores  que virão .

 Resta-nos agradecer a Deus o privilégio de estarmos a frente de uma entidade reta como a Federação Mineira de Jiu-Jítsu e exemplarmente composta por pessoas  disciplinadas e felizmente  bastante unidas.

        Que as  bênçãos do Natal  cubram  a todos de duradouras alegrias !

Adair Alves de Almeida

                                   Professor e Presidente  FMJ-J